BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

BRASIL: CACHOEIRA VIRA TSUNAMI - EM AÚDIO, DONO DA DELTA DIZ QUE É POSSÍVEL SUBORNAR POLÍTICOS.

FOLHA DE SÃO PAULO.
BOL NOTÍCIA.
Em áudio, dono da Delta diz que é possível subornar políticos.
BRENO COSTA
ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
Em conversa gravada, em dezembro de 2009, o dono da Delta Construções S/A, Fernando Cavendish, afirma que é possível ganhar contratos com o poder público subornando políticos.
A Delta já recebeu mais de R$ 3,6 bilhões em verbas federais desde 2003 e está no centro das investigações da Polícia Federal envolvendo Carlos Cachoeira, preso pela Operação Monte Carlo por envolvimento em jogo ilegal. A PF chega a descrever Cachoeira como um sócio oculto da Delta, o que a empresa nega.
"Se eu botar 30 milhões [de reais] na mão de político, eu sou convidado pra coisa pra caralho. Se eu botasse dez pau que seja na mão dele... Dez pau? Ah... Não é que seja um monte de dinheiro não, mas eu ia ganhar negócio. Ô...", diz Cavendish, que não se refere a um caso específico.
"Estou sendo muito sincero com vocês: 6 milhões aqui, eu ia ser convidado. 'Ô senador fulano de tal, tá aqui. Se convidar, eu boto o dinheiro na tua mão'", continua o empresário.
A gravação foi publicada nesta segunda-feira (16) no blog Quid Novi, do jornalista Mino Pedrosa, que já trabalhou para Cachoeira. Cavendish conversa com dois empresários da Sygma, que atua na área de petróleo e gás, sobre a dissolução de uma sociedade entre eles.
Em nota, a Delta confirmou o diálogo, mas disse que Cavendish usou um tom de "bravata".
"O áudio não representa o que a Delta Construção e seus controladores pensam. Antes de tudo, o que é dito ali tem os verbos flexionados no condicional, como um exemplo hipotético, e foi pronunciado num tom claro de bravata."
Segundo a empresa, os sócios da Sygma gravaram a conversa sem que Cavendish soubesse devido a uma briga entre os três e a divulgação agora tem como objetivo constranger a Delta em meio ao escândalo Cachoeira que será investigado por uma CPI no Congresso. O áudio não consta da Operação Monte Carlo.
"Tanto a Delta Construção como todos os seus acionistas controladores, diretores e executivos têm profundo respeito pelo Congresso Nacional, pelos congressistas, pelas instituições republicanas e pelo Poder Público." A Folha não conseguiu localizar os sócios da Sygma.
A revista "Veja" já havia publicado trechos dessa conversa, em maio passado, sem divulgar o áudio da conversa.
RELAÇÃO
O jornalista que divulgou o áudio disse ter feito uma consultoria para Cachoeira no passado e que não tem mais relações com ele. Segundo Pedrosa, o contrato era para fotografar a situação da saúde no país quando José Serra era ministro da área e foi feito em parceria com Ricardo Stucket, fotógrafo oficial do ex-presidente Lula. Cachoeira tem negócios no setor farmacêutico.
Foi Pedrosa quem denunciou ao Ministério Público a cobrança de propina pedida por Waldomiro Diniz, então assessor de José Dirceu na Casa Civil, a Cachoeira. O episódio, depois comprovado com um vídeo publicado pela revista Época, provocou a queda de Diniz e levou a criação um ano depois da CPI dos Bingos. Foi o primeiro grande escândalo do governo Lula, em 2004.
Juntos Somos Fortes!

3 comentários:

  1. Sinceramente, Cel Paúl: vai haver CPI? Alguém vai ser processado? Algum político vai perder o mandato e sair algemado? O sr acredita nisso?

    ResponderExcluir
  2. A sociedade tem que valorizar as áreas essenciais (segurança, educação e saúde)!

    A PMERJ e o CBMERJ estão na sarjeta...

    A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro vivem os piores dias de suas gloriosas histórias. Bombeiros e Policiais Militares estão sofrendo diante da inércia institucional, pois recebem os piores salários do Brasil. O salário do Soldado PM/BM não chega a R$ 1.670,00, enquanto o Salário Mínimo Necessário é de R$ 2.398,82 (dois mil, trezentos e noventa e oito reais e oitenta e dois centavos).

    Salário mínimo necessário: Salário mínimo de acordo com o preceito constitucional "salário mínimo fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo" (Constituição da República Federativa do Brasil, capítulo II, Dos Direitos Sociais, artigo 7º, inciso IV).

    Fonte: DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

    O QUE É FEITO COM A MAIOR ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS DO BRASIL???

    A PMERJ e o CBMERJ ainda possuem salários indignos.

    REIVINDICAÇÃO da categoria: Piso Salarial Estadual igual ao Salário Mínimo Necessário divulgado pelo DIEESE: R$ 2.398,82 (dois mil, trezentos e noventa e oito reais e oitenta e dois centavos). Chega de SALÁRIOS MISERÁVEIS! O Soldado (PM ou BM) já tem que ingressar na sua corporação ganhando por volta de R$ 2.400,00, conforme determinação constitucional (artigo 7º, inciso IV).

    ResponderExcluir
  3. A diminuição do interstício para as promoções por tempo de serviço na PMERJ e no CBMERJ desrespeita o princípio da meritocracia.

    As Promoções através do critério do Tempo de Serviço acarretam QUEBRA DA PRECEDÊNCIA HIERÁRQUICA, abalando um dos pilares institucionais vigentes na PMERJ: A HIERARQUIA. É um "erro institucional"!

    A PM carioca tem o péssimo sistema de promover automaticamente o Soldado a Sargento, sem fazer concurso e seleção dos mais aptos para esse importantíssimo cargo de supervisão do policiamento. O PM entra Soldado e sai Subtenente sem abrir um livro! Obviamente, isso desqualifica inteiramente a Corporação.

    Não seria melhor reajustar adequadamente os soldos e acabar com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço?


    "Divisas não são ganhas, são conquistadas" (Maj Goulart, em janeiro de 2008).

    A hierarquia da Polícia Militar do Rio de Janeiro está sendo jogada no lixo. O Soldado tem que fazer prova para Cabo e o Cabo tem que fazer prova para Sargento, critério utilizado por todas as Polícias Militares do Brasil. O Rio de Janeiro é a única exceção! O juruna acaba desqualificando a graduação de Sargento e de Subtenente (é um Soldado velho).

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.