Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

sábado, 31 de janeiro de 2015

O SILÊNCIO DOS CORONÉIS E O DESABAFO DA FAMILIAR DO PM ASSASSINADO


Prezados leitores, nós recebemos o vídeo que ilustra esse artigo através do WhatsApp.
É um trecho de uma reportagem da Rede Globo.
O momento no qual a sogra do Soldado PM Bruno Guimarães Miguez, assassinado por criminosos na UPP da Cidade de Deus, responsabiliza o atual Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, delegado da PF José Mariano Beltrame, pela morte do seu genro.
Não foi primeira vez que um familiar de PM assassinado acusa Beltrame, mas foi a primeira vez que isso ocorreu, salvo melhor juízo, frente a frente.
Sem ter o que dizer, o secretário saiu de fininho...
A nossa esperança é que a coragem da sogra do Soldado PM Miguez faça com que os Coronéis PM rompam o silêncio e assumam as suas responsabilidades pelo futuro da instituição e pela proteção da tropa que está exposta às ações criminosas.
Nós aguardaremos ansiosos a postura dos Coronéis PM.

Juntos Somos Fortes!

"O CULPADO DISSO TALVEZ SEJA O SENHOR (SECRETÁRIO BELTRAME)"

Prezados leitores, a sogra de um Policial Militar assassinado coloca o secretário de segurança Beltrame em seu devido lugar.
Isso devia ter sido feito pelos Coronéis PM e pelos Delegados PC há muito tempo.




"JORNAL MEIA HORA
PLANTÃO DE POLÍCIA
30/01/15 23:35 atualizado em 31/01/2015 01:35 
Sogra de PM morto por traficantes questiona o secretário: ‘Você sabe a dor da minha filha?’
O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, esteve ontem à tarde no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, para acompanhar o enterro do corpo do soldado Bruno Guimarães Miguez, morte por bandidos da Cidade de Deus, na noite de quarta-feira. O ‘xerife' do Rio foi alvo de protestos dos familiares do PM, e a sogra do militar chegou a colocar o dedo em riste para ele, culpando-o pela morte. 
"O culpado disso talvez seja o senhor. O culpado disso que nós estamos passando hoje, que a minha filha está passando, o senhor é culpado. Você sabe a dor da minha filha?", desabafou a sogra de Miguez, cara a cara com Beltrame e dois oficiais da PM, em cena que foi flagrada por uma cinegrafista da Rede Globo e exibida no RJTV. 
Depois da bronca, Beltrame saiu de fininho. Em entrevista ao RJTV, o secretário lamentou a morte de Miguez: "Infelizmente, mais uma vez, perdemos mais um policial em uma emboscada. Em um lugar que está, na nossa avaliação, relativamente tranquilo, em função de outros acontecimentos. 
Mas eu não tenho como prometer uma cidade totalmente limpa, sem homicídios, onde não se tenha arma de fogo e onde policiais e pessoas não percam sua vida por atos irresponsáveis". 
A viúva passou mal durante o velório do soldado Miguez. Mais de 200 pessoas compareceram ao cemitério, muitas delas vestiam usando uma camisa em homenagem ao policial (Fonte)".

Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

HÁ MAIS DE 8 ANOS NO GOVERNO, PEZÃO "TORCE" PARA CHOVER

Prezados leitores, a população do Rio de Janeiro está entregue à própria sorte.
Pezão que está há mais de oito anos governando o Rio de Janeiro está "torcendo" para chover.
A situação atual não foi construída da noite para o dia, são anos e anos de descaso dos governantes com as questões ambientais.
Pezão tem sua parcela de culpa.
Imaginem se a ação do governador, a torcida, não der certo, o que ele pretende fazer?
Talvez seja melhor ele deixar de "torcer" para chover e começar a "rezar" para chover.
Afinal, no Rio de Janeiro só tem "chovido" balas perdidas...


(Jornal O Dia)


QUAL É A REAL GRAVIDADE DA CRISE HÍDRICA NO BRASIL?


Prezados leitores, qual é a real gravidade da crise hídrica no Brasil?
O que nós temos lido e ouvido sobre a crise?
Os especialistas se manifestam sobre as causas.
Os nossos péssimos políticos tratam unicamente das providências que irão desenvolver caso as chuvas não retornem.
Eles irão sobretaxar o consumo de água e farão racionamento.
Repararam que ninguém fala sobre a real possibilidade de recuperação dos nossos reservatórios.
Qual a quantidade de chuva e por quanto tempo será necessária para que os reservatórios voltem ao volume normal?
Vocês já ouviram explicações sobre essa pergunta?
Pior.
Caso não voltem ao normal, como os políticos resolverão a escassez de água potável?
Alguém respondeu sobre essa possibilidade?
A pergunta que temos que fazer aos políticos e aos especialistas:
- Enquanto as chuvas não ocorrerem e na quantidade necessária, o que será de nós?
Fiquem atentos e cobrem respostas.
E, os que souberem, façam a dança da chuva...

Juntos Somos Fortes!

BRASIL: 42 MIL JOVENS DEVEM SER MORTOS ATÉ 2019


Prezados leitores, a "guerra brasileira".

"JORNAL DESTAK
42 mil jovens devem ser mortos até 2019
28 de Janeiro de 2015
Estudo divulgado ontem indica que mais de 42 mil adolescentes entre 12 e 18 anos devem ser mortos no Brasil até 2019. Com base em dados de 2012, o IHA (Índice de Homicídios na Adolescência) projeta que a situação tenha se agravado desde então.
A pesquisa, elaborada pela Unicef, braço das Nações Unidas para infância e adolescência com a SDH (Secretaria de Direitos Humanos da Presidência), a ONG Observatório de Favelas e o LAV-Uerj (Laboratório de Análise da Violência da Uerj) projeta uma aceleração do aumento registrado em 2012, quando os homicídio de adolescentes cresceram 17% em relação a 2011.
Na época, o IHA subiu de 2,84 para 3,32. Isso significava que, de cada mil adolescentes que, em 2012, completaram 12 anos, 3,32 devem morrer antes de chegar ao 19 anos, em 2019.
A proporção de homicídios como causa de morte de adolescentes, em 2012, era quase nove vezes maior do que na população brasileira total: 36,5% contra 4,8%.
Assim como entre os adultos, a situação de violência entre os jovens é mais grave no Nordeste, onde o IHA é de 5,97 e estão as quatro capitais mais violentas para pessoas de 12 a 18 anos.
Fortaleza lidera, com 9,92 mortes para cada mil - praticamente o triplo da média nacional. Depois, vêm Maceió (9,37), Salvador (8,32) e João Pessoa (6,49).
O Sudeste tem o menor IHE por regiões: 22,5. Rio de Janeiro (2,06) e São Paulo (1,62) estão abaixo dessa média (Leia)". 

Juntos Somos Fortes!

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

A CRISE NA GESTÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA AUMENTA CADA DIA MAIS


Prezados leitores, a gestão da segurança pública está cada dia pior.

"JORNAL O GLOBO
PM deve R$ 19 milhões em contas de água e luz, que estão atrasadas desde setembro de 2014 
Inadimplência foi descoberta pelo novo comando da corporação, em meio ao anúncio de corte no orçamento de 2015 
VERA ARAÚJO
29/01/2015 5:00
RIO — Não bastasse o governo estadual anunciar um corte de R$ 1,37 bilhão no orçamento de 2015 para a segurança pública, a Polícia Militar se vê mergulhada numa grave crise financeira. Somente para as concessionárias Cedae, Light e Ampla, a corporação deve R$ 19 milhões, referentes às contas dos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro do ano passado. A inadimplência foi descoberta em um levantamento feito pelo novo comando da PM, que tomou posse no início deste mês. 
E as dívidas não se restringem às contas de luz e água. Embora ainda não tenha sido concluído, um levantamento da situação financeira da corporação revela outros problemas. A PM também deve pagamentos à empresa CNS Nacional de Serviços, responsável pela limpeza de batalhões e por tarefas administrativas. A conta chega a R$ 9,5 milhões (Leia mais)".

Juntos Somos Fortes!

RAS: GOVERNO PEZÃO ESTÁ DANDO CALOTE NOS POLICIAIS MILITARES

Prezados leitores, o governo Pezão atrasou novamente o pagamento do serviço extra remunerado dos Policiais Militares.


(Jornal Extra)


Juntos Somos Fortes!

RIO: O PRÓXIMO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA DEVE SER UM MILITAR OU UM CIVIL?


Prezados leitores, o próximo secretário de segurança pública do Rio de Janeiro deve ser um militar ou um civil?
A pergunta é pertinente, não só diante da grave crise que a segurança pública atravessa no Rio de Janeiro, mas também pelo fato de que temos civis comandando à segurança pública desde o dia 28 de abril de 2003. 
Os civis dirigem a segurança há quase de doze anos e a situação atual demonstra que não conseguiram controlar a violência, hoje inteiramente fora de controle.
Será que não chegou a hora de colocar um militar novamente no comando da segurança pública?
Os militares dão aula de logística e de gestão de recursos humanos, citando apenas duas vantagens sobre os gestores dos últimos anos.

Juntos Somos Fortes!

INVESTIGAÇÕES DOS CASOS PATRÍCIA ACIOLI E AMARILDO PRECISAM SER REVISTAS


Prezados leitores, a segurança pública entrou em colapso no Rio de Janeiro.
Se o policiamento ostensivo vai mal pela falta de Policiais Militares nas ruas, as investigações da Polícia Civil também estão deixando a desejar. 
Nós temos alertado para os problemas relacionados com as investigações dos casos Patrícia Acioli e Amarildo. Elas devem ser revistas.

"JORNAL EXTRA 
Casos de Polícia 
11/01/15 06:00 
Justiça critica investigação contra milícia e concede liberdade a guarda municipal acusado de integrar grupo 
Carolina Heringer 
Acusado de ser um dos 48 integrantes de uma milícia que atua nas zonas Norte e Oeste do Rio — investigados durante a Operação Armagedom pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) — o guarda municipal Leonardo Fróes da Costa, de 33 anos, diz estar sendo vítima de uma injustiça e nega envolvimento com o grupo. Ele teve a prisão preventiva decretada no início de dezembro e estava foragido, mas conseguiu um habeas corpus no último dia 28. A liminar, concedida pelo desembargador Luiz Noronha Dantas, da 6ª Câmara Criminal, faz duras críticas e coloca em xeque as acusações feitas pelo Ministério Público estadual e pela Draco contra o guarda. A denúncia é chamada pelo magistrado de “uma razoável crônica jornalística policial” (Leiam mais)". 

Juntos Somos Fortes!

A FOTO MISTERIOSA E A EXPLICAÇÃO


Prezados leitores, a fotografia que ilustra esse artigo está circulando pelas redes sociais sem qualquer dado sobre ela.
Reparem nos uniformes e nas cabeças cobertas.
Logo surgiram comentários de que eram criminosos imitando militares.
Nós publicamos a foto no twitter e um amigo trouxe a seguinte explicação: 

"São forças especiais (DOFESP) do Exército Brasileiro e o que eles estão usando na cabeça chama-se shemagh, um lenço que protege do sol".

Juntos Somos Fortes!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

CASO PATRÍCIA ACIOLI E CASO AMARILDO: A IMPRENSA PRECISA ENTREVISTAR OS POLICIAIS MILITARES



Prezados leitores, ontem, publicamos o artigo "Caso Amarildo: novas revelações favoráveis aos Policiais Militares (Link)" e nele sugerimos que também fossem entrevistados os Policiais Militares que foram acusados e condenados pelo cruel assassinato da juíza Patrícia Acioli.
A imprensa tem um papel muito importante no esclarecimentos dos fatos, embora não faça parte formal das investigações, mas acaba distorcendo a realidade quando entrevista apenas alguns envolvidos nos fatos.
No caso da juíza Patrícia Acioli, por exemplo, entrevistaram delegado, promotor, juiz e um Policial Militar que confessou para participar da delação premiada.
São onze os condenados.
Por que não entrevistaram os outros dez?
Inclusive para confrontar as versões com a do Policial Militar delator, o que não foi feito nas investigações.
Nós apostamos que a imprensa não faz essa discriminação dolosamente, os órgãos de imprensa devem ter tentado entrevistar os outros Policiais Militares, mas não devem ter obtido a necessária autorização do Poder Judiciário.
Por que o Poder Judiciário não permitiu?
Uma coisa é certa, não podemos continuar com esse tratamento desigual.
Se a imprensa pode ouvir e divulgar as investigações e os julgamentos, deve ter essa possibilidade estendida para entrevistar todos os acusados (Policiais Militares ou não) que quiserem expor a sua versão dos fatos.
Nós temos convicção de que se fossem entrevistados os Policiais Militares que estão condenados e presos no caso Patrícia Acioli, eles trariam novos elementos, como fez o Major PM Edson, ex-comandante da UPP da Rocinha, no caso Amarildo.
Não podemos esquecer o objetivo do Estado: promover a justiça.

Juntos Somos Fortes!


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

CASO AMARILDO: NOVAS REVELAÇÕES FAVORÁVEIS AOS POLICIAIS MILITARES


Prezados leitores, o Major PM Edson, ex-comandante da UPP Rocinha, foi entrevistado na Unidade Prisional da PMERJ, pelo jornal Folha de São Paulo e fez revelações que desmentem parte da versão da investigação da Delegacia de Homicídios.
Quem acompanhou os nossos artigos e vídeos sobre a investigação do assassinato da juíza Patrícia Acioli sabe que ocorrem erros na condução de Inquéritos Policiais.
Nós recomendamos a leitura, tendo em vista que algumas alegações do Major PM Edson, podem expressar a verdade (Leiam).
Apenas citando um exemplo, ele alega que Policiais Militares acusados de terem participado da tortura de Amarildo foram flagrados pelas câmeras em outros locais no horário.
Seria excelente que o Poder Judiciário também autorizasse que os Policiais Militares envolvidos no caso Patrícia Acioli pudessem conceder entrevistas para a imprensa, apresentando as suas versões e apontando os erros.

Juntos Somos Fortes!

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA BELTRAME DISCORDA DE DECISÃO DO GOVERNADOR PEZÃO


Prezados leitores, o secretário de segurança Beltrame mostrou sua força ao discordar publicamente de uma decisão do governador Pezão sobre cortes no orçamento:

"SITE G1
(...) A Secretaria de Educação vai perder R$ 547 milhões e a de Saúde, R$ 403 milhões. A de Segurança terá R$ 85,5 milhões a menos. Já despesas com transferências para outros municípios terão redução de R$ 1,1 bilhão, mostrou o RJTV.
O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse que ficou surpreso com o anúncio e que os cortes podem comprometer projetos como a formação de policiais e o avanço das UPPs. 
“Esta cifra é impossível de acontecer. Não há como cortar verba da segurança pública porque estamos num movimento muito grande de avanço ou preparação de avanço. O governador não me confirmou isto. Não podemos ter cortes na segurança pública sob pena de um retrocesso”, disse Beltrame. 
O governador Luiz Fernando Pezão não comentou as declarações do secretário (Leiam mais)".

Juntos Somos Fortes!

RIO: O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA BELTRAME ESTÁ CERTO



Prezados leitores, nos últimos sete anos o secretário de segurança Beltrame tem sido muito criticado no nosso espaço, em face do que consideramos erros na gestão da segurança pública.
Na verdade fomos os primeiros a criticá-lo. 
Criticamos  o secretário quando ele era aplaudido por todos, isso no auge das UPPs.
Basta uma pesquisa no nosso blog inicial para constatar.
Ontem, ele concedeu uma entrevista e, dessa vez, temos que concordar com ele:

"SITE G1
(...) O secretário defendeu medidas de controle nas fronteiras para evitar entrada de armas. "As pessoas hoje no Brasil reduziram segurança pública à polícia e isso é uma miopia. Isso é um erro muito grande porque as polícias estão esgotando em si próprias as suas ações. Segurança pública começa nas fronteiras, segurança pública começa com políticas de segurança primárias, secundárias e terciárias para os jovens (Leiam mais)".

Ele tem razão.
Na Polícia Militar nos temos estudado os temas que ele citou sobre prevenção primária, secundária e terciária na área da segurança pública, desde o comando geral do Coronel PM Carlos Magno N. Cerqueira, isso no governo Leonel Brizola.

Juntos Somos Fortes!

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

LIVRO "ENTRE A CASERNA E A RUA: O DILEMA DO "PATO" E A DESMILITARIZAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR



Prezados leitores, nós concluímos a leitura do livro "Entre a caserna e a rua: o dilema do pato" de autoria do Coronel PM Robson Rodrigues da Silva, atual chefe do Estado Maior Geral da Polícia Militar.
Sem o intuito de sintetizar a obra, fazemos breves comentários, que podem não representar a melhor interpretação do escrito pelo autor, o que nos faz convidar outros leitores para também expressarem a sua opinião.
O livro é fruto de um trabalho acadêmico do Oficial que avalia as rotinas do Curso de Formação de Oficiais (CFO) e o comportamento dos seus alunos. Com isso o autor pretende demonstrar "uma análise antropológica da instituição policial militar a partir da Academia de Polícia Militar D. João VI".
Salvo melhor juízo, o "dilema" tratado é a coexistência do policial e do militar no profissional de segurança pública: policial militar. Tal realidade é representa pelo "dilema do pato".  A ave representa a multiplicidade de ações feitas com limitações: nadar, andar e voar.
Simbolicamente, um pato foi inserido na capa entre os alunos do CFO.
Nós, não vemos qualquer problema no modelo organizacional da Polícia Militar, embora reconheçamos que se faz necessário a atualização de quase toda a legislação, garantindo direitos e prerrogativas para os policiais militares.
Ao final ficamos com a impressão, que pode ser fruto das nossas limitações na interpretação, que o autor é favorável a desmilitarização da corporação.
A desmilitarização é um processo que claramente está em implantação no Rio de Janeiro no governo Cabral-Pezão, o que pode ganhar maior expressão caso realmente o Chefe do Estado Maior Geral, o subcomandante da Polícia Militar, seja favorável ao processo.

Juntos Somos Fortes!

RIO DE JANEIRO: FALTA ÁGUA E SOBRAM BALAS PERDIDAS

Prezados leitores, a violência segue sem controle no Rio de Janeiro.
A Ong Rio de Paz e familiares de vítimas da violência realizaram protesto em Copacabana.


Daniela Hallack Dacorso / Agência O Globo

"JORNAL O GLOBO 
Em dez dias, Grande Rio teve doze casos de balas perdidas 
No fim de semana, mulher e menina foram atingidas na Zona Norte; jovem em Niterói; dois homens em São Gonçalo; e mulher na Rocinha 
POR RENAN FRANÇA / BRUNO AMORIM
25/01/2015 17:00 / ATUALIZADO 26/01/2015 9:16 
RIO - RIO - Adriene Solan do Nascimento, de 21 anos, foi baleada durante um tiroteio entre traficante e policiais da UPP, na Rocinha, na Zona Sul, na noite deste domingo. Segundo informações do 23º BPM (Leblon), a mulher foi encaminhada para o Hospital municipal Miguel Couto, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo os policiais, os tiros que atingiram Adriene partiram de traficantes. O caso foi registrado 11ª DP (Rocinha) (Leia mais)". 

Juntos Somos Fortes!

UPPs: ONDE O GOVERNO ERROU?


Prezados leitores, os erros na implantação do projeto das UPPs foram denunciados nesse espaço diariamente ao longo dos últimos anos.
O governo insistiu nos erros e o sucesso midiático das UPPs está virando um retumbante fracasso.
Na sua opinião, onde o governo errou?

"JORNAL EXTRA
25/01/15 15:16 Atualizado em 25/01/15 15:29 
PM da UPP Turano é preso em carro roubado na Baixada Fluminense 
Um policial militar da UPP Turano, na Tijuca, Zona Norte, foi preso em flagrante por policiais do 34º BPM (Magé) dentro de um carro roubado em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), o veículo estava sem as duas placas. Quando o carro foi revistado, duas placas clonadas e duas armas com a numeração raspada, uma pistola ponto 40 e um revólver calibre 38, foram encontradas na mala (Leia mais)".

Juntos Somos Fortes!

domingo, 25 de janeiro de 2015

VIOLÊNCIA NO RIO: QUEM SÃO OS CULPADOS?



Prezados leitores, a seguir transcrevemos matéria publicada no jornal O Dia sobre a violência no Rio de Janeiro.
A realidade vivenciada pela população é gravíssima, pois a violência está em todo lugar.
A sensação é de que existe uma guerra no Rio de Janeiro.
Uma guerra que é travada pela polícia contra os criminosos e travada entre os próprios criminosos.
Importante destacar que não se chega a um estágio tão grave da noite para o dia.
A guerra foi se instalando dia após dia.
É hora de identificar os culpados pelos desacertos do governo, que provocam, por exemplo:

"O destrambelhamento da polícia também contribui para a chuva de projéteis: no lugar da inteligência e da ação cirúrgica, saraivada de balas ...".

Não podemos esquecer o atual governo e seus gestores da segurança pública são os responsáveis pela condução do processo há mais de oito anos, portanto, nada justifica que a polícia não use a inteligência e não faça ações cirúrgicas.
Discordando em parte do contido na matéria, consideramos que uma polícia cidadã também precisa de armas, isso para serem usadas nos momentos imprescindíveis e em conformidade com a legislação.
É hora de identificar os culpados.
É hora de trocar gestores.
Insistir no que não dá certo é um erro grosseiro.

"JORNAL O DIA 
25/01/2015 00:00:34
Editorial: A praga das armas perdidas
Balas que entram com inaceitável facilidade no estado e são disparadas com frequência absurda e sem critério são um perigo numa cidade lotada e espremida como o Rio
Rio - Balas perdidas não são fatalidades. São sintomas, quer do recrudescimento da atividade criminosa, quer do despreparo policial, que levam a um grave problema: o derrame de armas e munição. Balas que entram com inaceitável facilidade no estado e são disparadas com frequência absurda e sem critério são um perigo numa cidade lotada e espremida como o Rio. 
Até a meia-noite de sexta-feira, contavam-se sete vítimas de bala perdida em uma semana, sendo três delas crianças. Duas morreram: Larissa e Asafe. Brincavam quando foram atingidas. O caso mais recente, até a conclusão desta página, foi do jovem alvejado enquanto assistia a um torneio de skate no Parque Madureira. Fechava-se a sinistra média de um caso de vítima do ‘acaso’ por dia. 
A movimentação de bandidos, sejam traficantes ou milicianos, é uma das fontes de balas perdidas. Arma-se fortemente o bando independentemente da ação: uma invasão a um morro, um arrastão, um assalto a pedestre, uma saidinha de banco. 
O destrambelhamento da polícia também contribui para a chuva de projéteis: no lugar da inteligência e da ação cirúrgica, saraivada de balas, como foi no caso da jovem Haíssa. Recrutas, não sem razão, reclamam do treinamento de tiro. Em entrevista ao DIA domingo passado, o comandante da PM, Alberto Pinheiro Neto, afirmou rever os procedimentos de formação e cogitou desarmar parte da tropa, após uma “reavaliação”. 
É verdade que uma polícia cidadã não precisa de armas. O Estado se impõe muito mais pela cidadania e pelas oportunidades que proporciona do que pela força. Mas que não se acredite reduzir as estatísticas de bala perdida cortando a letalidade das forças de segurança. É preciso, sim, estancar o vazadouro de fuzis, metralhadoras e pistolas, consequência do livre comércio de drogas. Cedo ou tarde, o país terá de enfrentar essas questões, pois até agora só se vê um enxugamento de gelo e sangue (Fonte)". 

Juntos Somos Fortes!

sábado, 24 de janeiro de 2015

POLÍCIA MILITAR: A PÉSSIMA FORMAÇÃO E O "TIRO AMIGO"

Prezados leitores, caso seja confirmado o contido na reportagem da revista Veja que reproduzimos nesse artigo, a tragédia da morte do Capitão PM Uanderson será ainda maior. O tiro fatal pode ter sido efetuado por um Policial Militar da UPP que comandava.
A matéria apresenta ainda uma série de aspectos que exaustivamente publicamos sobre a péssima formação dos atuais Soldados PMs, após o governo ter transformado o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças em uma "fábrica de Soldados".


(Revista Veja)

Juntos Somos Fortes!


VERÃO NO RIO: SOBRA VIOLÊNCIA, FALTA ÁGUA E FALTA ENERGIA ELÉTRICA

Prezados leitores, tudo indica que estamos sendo vítimas da pior geração de políticos que já apareceu no Rio de Janeiro.


(Jornal Extra)


(Jornal Extra)


(Jornal O Dia)



Juntos Somos Fortes!

A SITUAÇÃO DA POLÍTICA BRASILEIRA É SURREAL

Prezados leitores, a política no Brasil segue o seu ritmo...

(O Estado de São Paulo)

Juntos Somos Fortes!
                         

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

POLÍCIA MILITAR - WHATSAAP - (04) POR QUE A REVISTA VEJA NÃO REVELOU ESSAS MENSAGENS?



Prezados leitores, hoje publicamos (provavelmente) nosso último artigo sobre as mensagens de WhatsApp que a revista Veja não publicou. 
As outras mensagens que publicamos poderão ser lidas nos três artigos anteriores (Link). 

"07/01/14 12:52:21: +55 21 98596-8069 Faltou agradecer ao grão mestre....
07/01/14 12:52:49: +55 21 7756-0570 E enquanto eu tiver nessa PORRA aqui, serei sempre uma areia, incomodando sempre o pé do REpolho!!!
07/01/14 12:53:14: +55 21 98596-8069 Areia????
07/01/14 12:53:24: +55 21 98596-8069 Vc tem q ser uma pedra!!!
07/01/14 12:53:41: +55 21 7756-0570 Pedra ele transfere!!!!
07/01/14 12:53:45: +55 21 98596-8069 Adriano, vc é o cel pinheiro em 199/2000
07/01/14 12:53:52: +55 21 98596-8069 1999
07/01/14 12:53:55: +55 21 7756-0570 Tem que ser no talento!!!
07/01/14 12:54:14: +55 21 98596-8069 O cabelinho detestava ele
07/01/14 12:54:18: +55 21 7756-0570 Vou empurrando nele... Sem ele perceber!!!
07/01/14 12:54:26: +55 21 98596-8069 Mas precisava dele ao mesmo tempo
07/01/14 12:54:34: +55 21 7756-0570 Talentoooo!!!" (sic). 

A imprensa divulgou que a PMERJ instaurou um IPM para apurar os fatos. 

Juntos Somos Fortes!

POPULAÇÃO ACUADA: A TRAGÉDIA DA INSEGURANÇA NO RIO DE JANEIRO



Prezados leitores, a insegurança está acuando a população do Rio de Janeiro.
O noticiário diário informa sobre o crescimento da violência, mas são os dados estatísticos produzidos pelo Instituto de Segurança Pública (Link) que comprovam a situação assustadora. 
A comparação entre os períodos de janeiro-novembro de 2013 e de 2014, demonstram, por exemplo:
- o crescimento dos homicídios;
- o crescimento das tentativas de homicídios;
- o crescimento dos roubos de veículos;
- o crescimento dos roubos a transeuntes;
- o crescimento dos roubos em coletivos;
- o crescimento dos roubos de cargas.
- o crescimento do roubo de celulares.
Acuada a população sofre com os erros na gestão da segurança pública.

Juntos Somos Fortes!


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

POLICIAL MILITAR SE RECUSA A USAR COLETE DEVIDO AO MAU CHEIRO

Prezados leitores, um Policial Militar de forma disciplinada e justificada se recusou a usar o colete.
Parabéns ao Policial Militar.
A conquista da dignidade exige atitudes.

 (Povo do Rio)


Juntos Somos Fortes!

RIO: TRÁFICO VENCE A EDUCAÇÃO

Prezados leitores, a insegurança que tomou conta do Rio de Janeiro está produzindo fatos inacreditáveis.

(Jornal O Dia)

Juntos Somos Fortes!


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

"PREPARADOS PARA O FRACASSO? POLÍCIA E POLÍTICA NO RIO DE JANEIRO"



Prezados leitores, nós temos interesse em obter a seguinte dissertação desenvolvida no Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense: 

AUTOR: Wilson de Araújo Filho
TÍTULO: “Preparados para o Fracasso? Polícia e Política no Rio de Janeiro (1999 – 2002)”
ORIENTADOR: Ari de Abreu Silva
DATA DA DEFESA: 23 de abril de 2004

Antecipadamente, agradecemos quem puder nos auxiliar.

Juntos Somos Fortes!

POLÍCIA MILITAR - WHATSAAP - (03) POR QUE A REVISTA VEJA NÃO REVELOU ESSAS MENSAGENS?



Prezados leitores, baseados em dados recebidos temos publicado mensagens de WhatsApp trocadas entre Oficiais e Praças da PMERJ, que não foram noticiadas na matéria da revista Veja que tratou da apologia à violência e ao nazismo contida em algumas mensagens.
Ratificamos que não temos como saber se a revista Veja não recebeu as mensagens que estamos publicando ou se as recebeu e optou por não divulgar, apesar da gravidade.
Nós já publicamos dois artigos sobre as mensagens não publicadas pela Veja:
- Primeiro artigo (Link).
- Segundo artigo (Link).
Hoje publicamos um novo trecho: 

"26/12/13 20:30:08: +55 21 7756-0570 Comando... Deixa comigo... Lembra dos 1.500??? Eu disse, nao disse??? Uma ja foi... Faltam dois!!! 
26/12/13 20:30:28: +55 21 7756-0570 Tramoia e Ludi!!! 
26/12/13 20:30:51: +55 21 97205-8175Olhos 
26/12/13 20:31:14: +55 21 97205-8175 Sou a favor do Lud ir a obtido no cdc 
26/12/13 20:31:28: +55 21 96408-4300 Obito
26/12/13 20:31:36: +55 21 97205-8175 Isso 
26/12/13 20:31:43: +55 21 97205-8175 Foi mal 
26/12/13 20:31:58: +55 21 97205-8175 Morte ao Anakin 
26/12/13 20:32:44: +55 21 97205-8175 Tipo, instrução de paraquedismo sem paraquedas e com mochila de chumbo logo no primeiro dia" (sic).

Segundo a revista Veja a Polícia Militar instaurou um IPM para apurar os fatos.

Juntos Somos Fortes!

A MISSÃO IMPOSSÍVEL DE RECONSTRUIR A POLÍCIA MILITAR DO RIO

Prezados leitores, nós comentamos a entrevista do atual comandante geral ao jornal O Dia (Link). 
Hoje o jornal O Dia publica um editorial sobre o tema reconstrução da Polícia Militar, onde são elencados alguns óbices existentes.
Infelizmente, os problemas são em número muito maior e com gravidade superior que o contido no editorial.
Nas condições atuais, a missão é impossível.

(Jornal O Dia)

Juntos Somos Fortes!

O PMDB FAZ O QUE QUER NO RIO DE JANEIRO

Prezados leitores, a notícia publicada nessa quarta-feira pelo jornal O Dia demonstra que o PMDB faz o que quer no Rio de Janeiro.
O Prefeito Eduardo Paes criou uma subprefeitura e nomeou o enteado do governador Pezão.

(Jornal Extra)

Juntos Somos Fortes!

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

SEGURANÇA PÚBLICA: "SISTEMA BELTRAME" NÃO SERVE PARA O PARANÁ

Prezados leitores, recomendamos a leitura do artigo a seguir transcrito sobre segurança pública no Paraná e no Rio de Janeiro.



"SITE DO CÍCERO CATTANI
18 de janeiro de 2015.
Cultura da violência na PM.
Celso Nascimento:
Setores do oficialato da Polícia Militar do Paraná afirmam que não vai demorar muito o momento em que o governador Beto Richa revelará arrependimento por ter escolhido o deputado Fernando Francischini como titular da Secretaria de Segurança Pública. Além dos espetáculos de fanfarronice que já protagonizou nestes poucos dias à frente do cargo – como o de, por exemplo, fantasiar-se de guarda-vidas para posar para fotógrafos que cobrem a Operação Verão nas praias –, pesa também contra ele seu apego a uma visão ultrapassada de políticas de segurança. 
Sob Francischini, afirma um oficial superior da PM, “as polícias Militar e Civil já começam a adotar o que chamamos de ‘cultura da violência’. Estamos arriscados a voltar aos tempos do tacape e da truculência policial, atropelando-se preceitos básicos do Estado Democrático de Direito e desrespeitando direitos humanos”.
O alarme já soou – interpretam as mesmas fontes que, em razão da disciplina militar, pediram anonimato – quando Francischini promoveu a visita do secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, ao governador Beto Richa na semana passada. “Não estamos negando a competência de Beltrame, mas ele pratica uma política de segurança talvez adequada à realidade dos morros cariocas dominados por quadrilhas de traficantes armados – situação que estamos longe de conhecer no Paraná”, frisaram.
Na opinião deles, o “sistema Beltrame” nem sequer deveria ser apresentado ao governador, dada a sua completa inadequação ao caso paranaense. Na mesma audiência com Richa, Francischini chegou a propor a ideia de integrar a polícia do Rio de Janeiro na guarda da fronteira do Paraná com países vizinhos, dos quais proveem a maior parte das drogas e armas traficadas para o Brasil. 
As fontes citam pensadores mundialmente respeitados em matéria de segurança pública, que acentuam uma característica comum a todas as forças militares: “as tropas são o espelho de seus comandantes”. A partir desse raciocínio e com base no histórico da atuação policial do novo secretário da Segurança – desde os tempos em que serviu na Polícia Militar do Paraná e, depois, já como agente da Polícia Federal no Espírito Santo e São Paulo – “é lícito imaginar que as nossas polícias já estejam sendo induzidas a atuações que só servem para dar à população a falsa impressão de eficiência”.
Como foi o caso – lembram as fontes – da Operação Lei e Ordem, deflagrada na última semana e que prendeu e acorrentou 68 pessoas da periferia pobre, acusadas de crimes diversos. “Operações espetaculosas servem muito bem para alimentar a mídia, mas se contrapõem às rotinas e métodos das melhores polícias do mundo”.
Por meio de sua assessoria, o secretário Fernando Francischini convidou o colunista para uma conversa, durante a qual, espera-se, sejam esclarecidas as políticas que está implementando à frente da Segurança Pública (Fonte)".

Juntos Somos Fortes!

ENTRE A CASERNA E A RUA: O DILEMA DO PATO - CORONEL PM ROBSON RODRIGUES DA SILVA



Prezados leitores, iniciamos a leitura do livro "Entre a caserna e a rua: o dilema do "pato" - Uma análise antropológica da instituição policial militar a partir da Academia de Polícia D. João VI" (Editora da UFF)  de autoria do Coronel PM Robson Rodrigues da Silva, atual Chefe do Estado Maior Geral da Polícia Militar.
Ao final esperamos conhecer mais sobre o dilema identitário dos policiais militares mencionado na apresentação. A identidade dual: policial e militar.
No momento, consideramos interessante destacar a citação contida no início da obra:

"Dentro de mim existe 
um deus e um demônio 
que são tão amigos
mas tão terrivelmente amigos 
que ficam juntos
tomando porre
e dizendo besteira."
Bruna Lombardi (1976)

Juntos Somos Fortes!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

POLÍCIA MILITAR: O PAGAMENTO DO SERVIÇO EXTRA ESTÁ ATRASADO NOVAMENTE?



Prezados leitores, recebemos comentários dando conta que o pagamento do RAS está atrasado novamente.
Isso é verdade?
Deve ser muito difícil para o governo organizar o pagamento do RAS.
Logo irão dar a ideia de contratar mais uma firma de consultoria para avaliar a questão.
Contratar consultorias e fazer convênios com ONGs está na moda.

Juntos Somos Fortes!

RIO: NINGUÉM ESTÁ SEGURO EM LUGAR NENHUM

Prezados leitores, no Rio de Janeiro ninguém está seguro, em nenhum lugar e em nenhum horário.
O Rio vive a total insegurança.

(Folha de São Paulo) 


Juntos Somos Fortes!

POLÍCIA MILITAR: QUEM AJUDOU A DESTRUIR, DIZ QUE VAI TENTAR RECONSTRUIR

Prezados leitores, extremamente louvável a intenção demonstrada pelo atual Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Coronel PM Alberto Pinheiro Neto, ao afirmar:

- "Vamos reconstruir a Polícia Militar".

A frase foi dita durante a entrevista para o jornal O Dia publicada ontem e que replicamos nesse artigo.
Primeiro, a intenção é uma necessidade, a PMERJ está no CTI com infecção generalizada e falência múltipla nos órgãos, fazendo uma analogia com um paciente terminal.
Além disso, ao falar em reconstruir sendo Coronel PM, ele mesmo sem manifestar claramente, assume que contribui, quer seja por ação ou por omissão, para o estágio de destruição atual.
Ele, toda a atual cúpula da corporação, afinal, todos nós, Oficiais e Praças, que durante décadas integramos os quadros da bicentenária corporação.
Quem não tem culpa pela destruição é jovem aluno do Curso de Formação de Soldados que padece com a péssima formação que recebe, ele ainda não tem responsabilidade pelo estágio da PMERJ.
Os Coronéis, ativos e inativos, todos têm uma enorme parcela de responsabilidade e terão para sempre.
Portanto, louvável a intenção e desejamos todo sucesso afinal nada mais justo do que quem ajudou a destruir, que ajude a reconstruir.

(Jornal O Dia - 18 JAN 15)

Juntos Somos Fortes!

RIO - POLÍCIA MILITAR - MANTENHAM OS TUBOS...

Prezados leitores, mantenham os tubos...

(Jornal Extra - 18 JAN 15)

(Jornal Extra - 18 JAN 2015)


Juntos Somos Fortes!

A POLÍTICA NO BRASIL É UMA VERGONHA

Prezados leitores, a política no Brasil dá asco.

(Folha de São Paulo - 18 JAN 15)


Juntos Somos Fortes!

RJ: TODOS OS HOMENS DO GOVERNADOR - SERGIO BOECHAT

Prezados leitores, transcrevemos um artigo do blog do Sergio Boechat sobre o governo Pezão: 



"BLOG DO SERGIO BOECHAT
RJ: TODOS OS HOMENS DO GOVERNADOR!
17/01/2015 12:18:34
O Estado do Rio de Janeiro vive uma crise de liderança, o que acontece também em outros Estados e em muitos municípios importantes pelo Brasil afora, inclusive em Volta Redonda. Há uns dois anos ninguém poderia imaginar que o Pezão, ex-prefeito de um pequeno município no Sul Fluminense, indicado pelo Garotinho para compor a chapa de Cabral, vice governador de um dos políticos mais desgastados politicamente e sem nenhum destaque em seu curriculum vitae, estaria hoje governando o Estado. Venceu pela incompetência dos seus opositores. 
O ex-governador Garotinho, com uma rejeição que ultrapassava 40%, não tinha nenhuma chance de ganhar de ninguém e sequer foi para o segundo turno; o senador Lindbergh Farias, com o seu partido participando do Governo Cabral desde o primeiro momento, não tinha nenhuma credibilidade para se apresentar como oposição ao Pezão; o senador Crivella, usando uma estratégia errada, sem discurso, sem propostas e vinculado irremediavelmente à Igreja Universal foi longe demais; e o Tarcísio, o mais lúcido dos candidatos, mas sem estrutura e sem tempo de televisão para dizer a que veio, cumpriu o seu papel e teve até uma votação boa, nas circunstâncias em que se candidatou! Venceu o que tinha melhor estrutura, mais dinheiro e o menos rejeitado entre os “medalhões” da política fluminense! 
Diante deste quadro caótico em termos de liderança e total incompetência da oposição, o Pezão ganhou a eleição, na base da teoria “dos males o menor”! Escondeu o governador o tempo todo, jogou emoção na campanha, apelou para a demagogia e conseguiu mostrar que os seus adversários eram muito mais fracos do que ele. Os candidatos de oposição não foram capazes de associar o Pezão ao Cabral, já que os dois são do mesmo naipe e a primeira coisa que o candidato eleito fez, zombando dos seus concorrentes, foi dedicar a sua vitória ao ex-governador, da famosa “turma do guardanapo”! 
E para comprovar que o Pezão não tem nenhuma estrutura para chegar onde chegou, basta analisar o secretariado que ele empossou. Um secretariado inexperiente, provinciano, caseiro, construído na base da amizade e recheado de cabos eleitorais ocupando pastas importantes e com pouquíssimos especialistas. Percebe-se, claramente, a sua intenção de se segurar politicamente, já que ele não tem o controle da máquina e teme ser engolido pela Assembleia Legislativa, cheia de cobras criadas, comandadas pelo Picciani. 
Para a Secretaria de Governo indicou o Deputado Paulo Mello, que pleiteava a reeleição para a Presidência do Legislativo, mas que não resistiu ao esquema Picciani, sempre muito pesado e já anunciou que quer o Tribunal de Contas. Valha-nos, Deus! Para a Secretaria de Esportes indicou o filho do ex-governador, que é quem vai realmente governar o Estado. Às vésperas de uma Olimpíada, uma nomeação para agradecer ao ex-governador a sua chegada ao poder, sem qualquer compromisso com a eficiência e com a competência. Na Saúde, ele colocou alguém que não entende nada do assunto e sem nenhuma experiência em gestão pública. Ele segue o mesmo modelo adotado pelo “prefeito cassado” e “ficha suja” de Volta Redonda: Ele dá muito mais importância à lealdade do que à competência e coloca as pessoas erradas no lugar errado! 
Teve a preocupação de indicar deputados para os cargos de secretário, abrindo assim novas vagas na Assembleia para políticos da Região Sul Fluminense que não conseguiram se eleger. No Brasil é assim: A população elege os candidatos que considera os melhores para representá-la, mas o Chefe do Poder Executivo ignora a decisão e abre vagas para quem não ganhou a eleição, simplesmente para atender interesses políticos. Não interessa a ele se convidou um bom profissional, desde que possa atender os partidos e os políticos envolvidos nas transações. 
O Governador conseguiu até ressuscitar políticos já ultrapassados e que não têm mais nada a oferecer ao Estado, como o Deputado Federal Arolde de Oliveira. Loteou o governo para agradar aos partidos e assim sobreviver politicamente. Enfim, é este o cenário político do Estado do Rio de Janeiro. Quando a gente pensa que o Estado vai dar uma arrancada para ganhar mais prestígio e mais força política e econômica no contexto nacional, a gente percebe uma regressão ou pelo menos uma estagnação, com uma política de fisiologismo que a gente imaginava que já estivesse superada, mas que voltou com toda a força ao Palácio Guanabara. Só nos resta aguardar para ver no que vai dar esta “política menor” que foi trazida de volta pelo Pezão! (Fonte)"

Juntos Somos Fortes!

domingo, 18 de janeiro de 2015

POLÍCIA MILITAR - WHATSAAP - (02) POR QUE A REVISTA VEJA NÃO REVELOU ESSAS MENSAGENS?



Prezados leitores, hoje damos sequência à série de artigos relacionados com a reportagem da Revista Veja sobre a Polícia Militar, baseada em mensagens de WhatsApp trocadas entre Oficiais e Praças da Polícia Militar, que obteve com exclusividade. 
Na reportagem foram publicadas mensagens que fariam apologia à violência no controle dos protestos de rua no Rio de Janeiro e ao nazismo.
A revista Veja informou que são milhares de mensagens trocadas entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, as quais estão reunidas em 230 páginas de um inquérito da Corregedoria-Geral da PM.
A revista não poderia publicar todas as mensagens, logo deve ter feito uma seleção das que considerou mais importantes.
Nós começamos a publicar algumas  que tivemos conhecimento, como as publicadas no primeiro artigo (Link), que não foram publicadas pela Revista Veja.
Hoje publicaremos uma mensagem, fazendo novamente a ressalva de que como são dados não confirmados, não podemos garantir que a mensagem seja real e que conste no IPM da Corregedoria Interna, mas se constar é muito grave, merecendo uma investigação muito rigorosa para o seu esclarecimento.

"01/01/14 19:43:01: +55 21 7756-0570 Morte ao Porco, Morte ao Ambiguo," (sic).

Será que a Revista Veja não recebeu essa mensagem tão séria ou recebeu e não selecionou para publicação?
Uma ameaça ou uma brincadeira de péssimo gosto?
Quem seria o "Porco"?
Quem seria o "Ambíguo"?
Eles estão vivos? 

Juntos Somos Fortes!

LEGITIMAÇÃO DO MAL - MARIA LUCIA VICTOR BARBOSA



Prezados leitores, transcrevemos a seguir um novo artigo da socióloga Maria Lucia Victor Barbosa:

"LEGITIMAÇÃO DO MAL
Maria Lucia Victor Barbosa 
16/01/2015 
Os recentes atos terroristas perpetrados na França por fundamentalistas islâmicos levam a reflexões importantes, pois envolvem situações globais que atingem indivíduos isoladamente ou mesmo populações inteiras. 
Para começar lembremos que a liberdade é essencial à vida, uma espécie de oxigênio que permite viver com dignidade. É fruto da sociedade ocidental capitalista, do Estado Liberal que evoluiu para o Estado Democrático de Direito. É um bem precioso que foi conquistado aos poucos, lembrando que sistemas totalitários como o comunismo e o nazismo extinguiram a liberdade e massacraram os que tentaram exercê-la, assim como os regimes ditatoriais. 
Mas existe limite à liberdade de expressão? Pode a mídia ser antissemita, racista, achincalhar, insultar, tripudiar sobre valores incluindo os religiosos? E não me venham dizer que não posso perguntar isso ou que estou do lado do terror. Tenho direito de me expressar livremente enquanto o ministro petista Berzoine não baixar a cesura total. 
Que fique bem claro de minha parte, que as charges sem graça e de péssimo gosto jamais justificariam a chacina dos chargistas levada a cabo pelos irmãos terroristas Chérif e Said Kouachi, na redação do jornal Charlie Hebdo, em Paris. Defender o terrorismo e legitimar o mal é característica da esquerda primitiva e acéfala que culpa os franceses, os Estados Unidos, os judeus, a islamofobia, a direita pelos brutais assassinatos em nome da fé. Tudo indica que os grupos fundamentalistas sendo totalitários, exesquerda, pansionistas, tribais, medievais atraem irresistivelmente a esquerda que encontra naquelas organizações fanáticas ecos do seu próprio modo de ser, identificando-se com as mesmas. 
Seguiram-se às mortes dos jornalistas o assassinato de quatro judeus em um supermercado Kosher, pelo terrorista, Amedy Coulibaly e sua amante, Hayat Boumeddiene. As quatro vítimas chamavam-se: Yoav Hattab, 21, Yohan Cohen, 20 (que salvou uma criança de três anos quando lutou com o terrorista), Philippe Braham, 45 e François Saada, 64. 
Lembra Gilles Lapouge sobre os judeus na França (O Estado de S. Paulo, 14/01/2015), que “fundidos na sociedade francesa e sentindo-se franceses até a raiz dos cabelos, seus talentos (Bergson, Lévi-Strauss, Mendés France, Léon Blum, Montaigne e outras milhares de centenas de pessoas) levaram à incandescência o gênio da França, à beleza de sua civilização – excluindo, claro, o vergonhoso espetáculo da ocupação nazista (1940 – 44) quando o general Pétain empreendeu uma campanha de perseguição aos judeus”. 
Contudo, passado um dia ou dois dos ataques terroristas tudo voltou ao normal e as afrontas, as agressões e ameaças aos judeus se multiplicaram. Uma contradição, sem dúvida, pois se milhões de franceses foram às ruas para defender a liberdade de expressão, por que alguns negam a outros a liberdade de existir? 
Um dos irmãos Kouachi também matou o policial Ahmed Merabet, um mulçumano que ferido e deitado no chão pediu clemência, mas levou um tiro na cabeça. Coulibaly, um dia antes de entrar no Koscher atirou em dois policiais, sendo que a agente Clarissa Jean-Philippe, de 25 anos, morreu. 
Os franceses acorreram às ruas para defender um valor que lhes é caro, a liberdade ou para defender sua sobrevivência. Afinal, o ato terrorista se deu dentro do seu território e atingiu o chamado Quarto Poder. Porém, há uma legitimação do mal que não é só apanágio da esquerda diante das facções jihadistas ou guerra santa. Afirmo isso porque houve mais espanto do que manifestações mundiais quando emissários de Bin Laden derrubaram as Torres Gêmeas em 11 de novembro de 2001. Atualmente ninguém se comoveu com o sequestro e assassinato de três jovens Israelense, ao que tudo indica pelos terroristas do Hamas cujo objetivo é dar fim a israel. Mulçumanos matam mulçumanos e fica por isso mesmo entre eles. O Boko Haram sequestra jovens que são estupradas, mantidas como escravas, vendidas, além de dizimar populações inteiras a ferro e fogo, algo que parece apenas uma notícia longínqua que não interessa a ninguém. Outras facções do Islamismo radical seguem atuantes como o Taleban e agora entra em cena o Estado Islâmico com seus degoladores, crucificadores de cristãos, experts em todo tipo de atrocidades. Isso se dá sob a indiferença, legitimação ou aceitação das maiorias que aguardam sua vez de se submeter. Afinal, Islã quer dizer submissão. 
Está na hora do mundo se movimentar para valer em vez de ficar esperando a ação dos Estados Unidos para depois criticá-la. E nem menciono o Brasil porque aqui a governanta quer diálogo com o terror, como se isso fosse possível, enquanto já se diz que fundamentalistas recrutam jovens em nossas favelas. Só falta Maria do Rosário declarar que terroristas desumanos têm direitos humanos. 
Maria Lucia Vitor Barbosa é socióloga. 
mlucia@sercomtel.com.br 
www.maluvibar.blogspot.com.br 

Juntos Somos Fortes!

RIO: A POLÍCIA MILITAR NO LEITO DE MORTE

Prezados leitores, a Polícia Militar respira com ajuda de aparelhos e parece que já ocorreu a morte cerebral.


(Jornal O Dia - 17 JAN 2015)

Juntos Somos Fortes!

sábado, 17 de janeiro de 2015

MENOR MORTO EM CONFRONTO COM PMs TERIA ENVOLVIMENTO COM O TRÁFICO

Prezados leitores, os indícios sinalizam que o menor que foi morto durante confronto com Policiais Militares na comunidade Camarista Méier, conforme artigo que publicamos, teria envolvimento com o tráfico de drogas.
Leiam a reportagem:

(Jornal Extra)

Juntos Somos Fortes!

POLÍCIA MILITAR - WHATSAAP - (01) POR QUE A REVISTA VEJA NÃO REVELOU ESSAS MENSAGENS?



Prezados leitores, usando as palavras da Revista Veja, "documentos exclusivos obtidos por VEJA mostram mensagens de cunho nazista enviadas por policiais pelo WhatsApp", serviram de base para a publicação da matéria com o título "Oficiais da PM do Rio incitaram pancadaria contra black blocs" (Link). 
Segundo a Revista Veja "O coronel Fábio, como é chamado, é o protagonista de milhares de mensagens trocadas entre oficiais da PM num grupo que se comunicava via WhatsApp entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014. Reunidas em 230 páginas de um inquérito da Corregedoria-Geral da PM, (...)". 
Então, são milhares de mensagens contidas em 230 páginas, mas se lermos a matéria encontraremos um pequeno número de mensagens.
Como afirmamos em artigo publicado ontem:

"O que nos causa estranheza é que dados dão conta que as mensagens tratam de outros indícios de crimes que envolvem outras pessoas, além das citadas na reportagem, mas essas mensagens não foram divulgadas pela Revista Veja. 
Qual a explicação? 
A Revista Veja só obteve parte das mensagens? 
A Revista Veja recebeu todas as mensagens, mas resolveu dar publicidade apenas a algumas delas? (Link)

Só quem pode responder a esses questionamentos é a Revista Veja.
Isso é fato.
Dados dão conta que entre as mensagens estariam as seguintes, por exemplo: 

"03/01/14 17:28:14: +55 21 99461-5026 Esse seria o fim 
03/01/14 17:29:26: +55 21 98596-8069 A core nas nossas hd 
03/01/14 17:29:39: +55 21 98596-8069 Simbiose perfeita 
03/01/14 17:29:47: +55 21 98596-8069 São bons... 
03/01/14 17:29:55: +55 21 98596-8069 Vão conseguir 
03/01/14 17:30:27: +55 21 98596-8069 Parece que o beltrami já deu o aval 
03/01/14 17:30:41: +55 21 98596-8069 Vão pintar elas de preto 
03/01/14 17:31:17: +55 21 98596-8069 Escoltar vários astros de rock 
03/01/14 17:31:24: +55 21 98596-8069 Artistas.... 
03/01/14 17:32:11: +55 21 99461-5026 Que isso Cel...nao acredito nisso 
03/01/14 17:32:33: +55 21 98596-8069 Kkkkkkkkkkkkk (sic)"

A Veja não recebeu esse trecho ou resolveu não divulgar?
Caso as mensagens em referência realmente integre o IPM, caberá à Corregedoria Interna esclarecer o contexto, que teria o aval do secretário de segurança Beltrame.
Devemos publicar outros trechos que a Revista Veja não publicou, alguns com assuntos graves.

Juntos Somos Fortes!